Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Candidato da oposição na Venezuela evita confrontar Chávez

Henrique Capriles dissse que apostará no diálogo para enfrentar Chávez.
Oposicionista venceu primárias para escolher adversário de presidente.

Henrique Capriles, o novo candidato da oposição unida da Venezuela, que tentará pôr fim a 13 anos de governo socialista comandado por Hugo Chávez, disse na segunda-feira (13) que buscará evitar uma radicalização da disputa presidencial em outubro.

Capriles arrasou nas primárias celebradas no domingo na Venezuela, em que participaram 2,9 milhões de eleitores, o dobro dos cálculos iniciais, e disse que apostará no diálogo para enfrentar Chávez, que conta com forte apoio e sólidos recursos do petróleo para planos sociais.

Henrique Capriles acena para apoiadores após saber da vitória nas primárias deste domingo (Foto: Carlos Garcia Rawlins/Reuters)Henrique Capriles acena para apoiadores após saber da vitória nas primárias deste domingo (Foto: Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

“Comunicação! Porque a imensa maioria dos venezuelanos quer paz. Os setores radicais deste país estão condenados, não só a serem cada vez menores, como também a desaparecerem: os setores radicais da oposição e os do governo”, disse Capriles a um canal local de televisão.

Chávez, um militar aposentado de 57 anos que garante ter superado o câncer detectado no ano passado, repetiu que o candidato da oposição buscará eliminar os avanços da revolução.

“A palavra revolução encanta o governo. Por que não abandonamos o ‘r’ e falamos de evolução?”, sugeriu Capriles, governador do Estado de Miranda, o segundo mais povoado do país e que inclui a capital Caracas.

Segunda as últimas pesquisas de janeiro, Chávez conta com cerca de 50 por cento das intenções de voto, enquanto que o candidato opositor teria 30 por cento de apoio.

A inflação alta, a insegurança alarmante e as dúvidas sobre a saúde de Chávez converteram as eleições presidenciais de outubro na mais dura disputa eleitoral da carreira do mandatário socialista.

Da Reuters

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *