Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Chile quer novo interrogatório de responsável por ataque a Allende

A Justiça chilena ordenou que o juiz Mario Carroza, encarregado da investigação sobre as causas da morte do ex-presidente Salvador Allende (1970-1973), interrogue pela terceira vez o ex-general da Força Aérea chilena (Fach) Mário Lopez Tobar.

O objetivo é fazer ele entregar os nomes dos demais pilotos que atacaram a sede do governo do país, o Palácio de La Moneda, e a casa do ex-mandatário, em 11 de setembro de 1973 –data do golpe de Estado que instaurou a ditadura no país (1973-1990) sob o comando de Augusto Pinochet.

Associated Press
O ex-presidente chileno Salvador Allende cumprimenta seus apoiadores, em imagem de 1971
O ex-presidente chileno Salvador Allende (1970-1973) cumprimenta seus apoiadores, em imagem de 1971

A medida foi aceita, em última instância, após Carroza negar a solicitação do advogado do Movimento Socialista Allendista, Roberto Avila, segundo quem o bombardeio à sede de governo constituiu uma tentativa frustrada de homicídio, independentemente das circunstâncias em que o presidente Allende acabou morrendo.

Tobar, que chefiou a esquadrilha que atacou o La Moneda, já foi interrogado por Carroza em duas outras ocasiões anteriores e nas duas vezes manteve-se calado quando foi questionado sobre seus parceiros.

Carroza também cuida das investigações das mortes do poeta chileno Pablo Neruda e do general Alberto Bachelet, pai da ex-presidente Michelle (2006-2010), ambas ocorridas durante a ditadura.

DA ANSA, EM SANTIAGO DO CHILE

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *