Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Comerciantes tentam voltar à rotina após assalto em Ipanema

Um dia após o assalto ao dono de uma imobiliária da galeria Boutiques de Ipanema, na Rua Visconde de Pirajá 303, em Ipanema, Zona Sul, comerciantes tentam voltar à rotina normal de trabalho na manhã desta quarta-feira (30).

Hélio Casagrande, dono da delicatessen Cosa Nostra, a mais atingida pelos disparos efetuados pelo criminosos, falou ao G1 que vai levar duas semanas para recolocar a vitrine da loja. Segundo ele, apesar da seguradora já ter sido acionada e agendado a visita para esta quarta, o fornecedor do vidro disse que demora 14 dias para entregar o material.

“Estou nesse ponto há 30 anos e tenho uma clientela cativa. Acredito que uma pessoa ou outra fique amedrontada após essa situação, mas os clientes mesmo não acredito que deixem de vir à minha loja. Apesar de tudo, a gente precisa continuar vivendo”, afirmou o empresário, destacando que a maior sorte foi ninguém ter se ferido no assalto.

O roubo aconteceu na tarde de terça-feira (29), quando o comerciante Fernando Girão foi seguido por assaltantes depois que saiu de uma agência bancária do bairro. De acordo com a vítima, ele tinha acabado de entrar na sua imobiliária, quando foi surpreendido pelo assaltante.

Vitrines de galeria foram atingidas por disparos (Foto: Alba Valéria/G1)
Vitrines de galeria foram atingidas por disparos
(Foto: Alba Valéria/G1)

“Ele pediu que eu entregasse o dinheiro que havia sacado na agência. Pedi calma e entreguei os R$ 2 mil. Quando ele saiu, um corretor avisou à segurança da galeria e o ladrão começou a atirar. A intenção dele não era matar ninguém, mas criar o caos para fugir. Por isso quebrou tantos vitrines”, disse a vítima do assalto, que não conseguiu dormir direito durante a noite e afirmou que vai instalar duas câmeras de segurança na porta de sua imobiliária.

Apesar do pânico e correria, não houve feridos. Segundo policiais da 14ª DP (Leblon), o suspeito teria atirado para o alto e nos vidros para causar tumulto e dificultar a perseguição.

Para Fernando Girão, o número de assaltos que estão ocorrendo em algumas regiões tem uma razão. “Se o morro era o lugar que eles dominavam e agora deixaram de dominar, eles vão ter que ir para algum lugar. É só ver o que está acontecendo em Niterói. Eles vão migrar para algum lugar, isso é claro”, disse o comerciante.

Sistema de câmeras
Como a galeria dispõe de sistemas de câmeras de segurança, a polícia vai solicitar os vídeos ao síndico do prédio. O material deverá ser encaminhado à delegacia nesta manhã.  Segundo os policiais, somente através das imagens será possível identificar o criminoso, já que os comerciantes não conseguiram descrever o suspeito.

O comandante do 23º BPM (Leblon), tenente-coronel Luís Otávio, informou que PMs chegaram a perseguir os suspeitos, mas não conseguiram prendê-los.

Fonte: Do G1 RJ

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *