Willames Costa

Compromisso com a informação

Esporte

Corinthians tenta não repetir traumas do passado

SPFW 2012Casa cheia, a torcida faz pacto de apoio incondicional e o Corinthians precisa de apenas um gol para avançar.

A equipe de Tite segurou um empate sem gols no Rio e avançará às semifinais da Libertadores pela segunda vez na história com qualquer vitória. Empate com gols dá a vaga ao Vasco, e novo 0 a 0 leva a disputa aos pênaltis.

O cenário de hoje à noite, em um Pacaembu lotado, é parecido com o de outros duelos em mata-mata que derrubaram o time em outras edições da competição.

Almeida Rocha/Folhapress
Com a bola no braço, Tite conversa com jogadores do Corinthians
Com a bola no braço, Tite conversa com jogadores do Corinthians

Contra Flamengo (2010), River Plate (2003 e 2006) e Palmeiras (2000) o Corinthians jogou com sua torcida o jogo de volta sem precisar de milagres, nem de um caminhão de gols: bastaria uma vitória simples e pronto.

Mas em todos os casos tudo deu errado justamente naquele que é o maior temor de Tite, dos jogadores e de cada corintiano vivo: sofrer gol.

“É importante falar sobre o jogo e deixar isso de levar gol de lado. Conversamos sobre tirar vantagens e possibilidades do adversário. A conversa tem que ser mais nessa linha do que de se tomar um gol”, afirmou o lateral Alessandro. “Sofrer gol em casa é horrível”, completou.

Foi assim contra o Flamengo, contra o River e contra o Palmeiras –neste, até mesmo um empate bastaria. O time levou um gol, a missão se complicou, a torcida entrou em pânico e veio a eliminação. Em 1999, também ante o Palmeiras, o Corinthians precisava vencer por 2 a 0. Conseguiu o resultado, mas acabou perdendo nos pênaltis.

“Contra a Ponte Preta fomos surpreendidos. A equipe não pensou que poderia perder o jogo. Faltou o medo de perder. Essa condição agora é diferente. Todo o contexto e a própria competição dão o sinal de alerta”, disse.

Quando questionado sobre o que mudou no clube em relação a essas eliminações, Tite se esquivou. “Eu posso falar dessa equipe, deste grupo, que há três Libertadores é basicamente o mesmo”, afirmou. “São 90 minutos em que se constrói uma vitória, não no primeiro lance.”

Para ele, é nessas horas que a torcida tem seu peso.

“Que ele [o torcedor] jogue com a gente. A emoção vem de fora e bate no atleta, principalmente quando ele erra. Isso pode fazer a diferença. O torcedor corintiano pode fazer a diferença, sim”, disse.

O retrospecto do time no torneio dá otimismo. Único invicto, o Corinthians só sofreu dois gols em nove jogos, e nenhum em São Paulo.

Tite vai manter o time que empatou em São Januário há uma semana. E promete atacar. “É sua característica. Tem que ser melhor que o rival, procurar o gol desde o primeiro minuto, marcar bem e administrar situações.”

NA TV
Corinthians x Vasco
22h Globo e Fox Sports

O Corinthians na montanha-russa da América

 Ver em tamanho maior »

John Vizcaino – 3.fev.11/Reuters

AnteriorPróxima

No maior vexame de um clube brasileiro na Libertadores, o Corinthians, de Ronaldo, é eliminado na primeira etapa e não entra na fase de grupos após cair diante do Deportivo Tolima, da Colômbia, sem marcar um gol sequer; este foi ainda o último jogo oficial do Fenômeno

Fonte: Da Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *