Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Crise na Síria é inaceitável para a humanidade, diz chefe da ONU

O secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), Ban Ki-moon, disse nesta segunda-feira que está horrorizado com a intensificação dos ataques do governo contra a cidade rebelde de Homs, que classificou de “inaceitáveis para a Humanidade”.

Ban se uniu assim à condenação global à repressão das forças do ditador Bashar al Assad, depois que uma resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a Síria foi vetada no sábado por China e Rússia.

“O secretário-geral está horrorizado com a escalada de violência na Síria, em particular com o crescente registro de mortos e com a manutenção da repressão na cidade de Homs, que inclui o uso de artilharia pesada e o bombardeio de áreas civis”, disse o porta-voz das Nações Unidas, Martin Nesirky.

“Esta violência é totalmente inaceitável para a Humanidade”.

Ban acrescentou: “A ausência de um acordo no Conselho de Segurança não dá às autoridades sírias licença para intensificar os ataques contra o povo sírio. Nenhum governo pode cometer tais atos contra seu povo sem que sua legitimidade seja erodida”.

Pelo menos 69 civis foram assassinados nesta segunda-feira na Síria quando tropas do regime bombardearam Homs com morteiros e atacaram Zabadani, próximo da capital, disseram ativistas opositores.

Em dezembro, a ONU havia atualizado a contagem de civis mortos nas ações violentas das forças de segurança em 5.000 pessoas, e, desde então, não foi divulgado nenhum novo número sobre o assunto. Grupos opositores calculam que o número já ultrapasse os 7.000.

O regime de Assad se defende dizendo que, na verdade, combate terroristas armados, e não manifestantes pró-democracia. Segundo as autoridades sírias, mais de 2.000 membros das forças de segurança morreram nas operações.

SOLUÇÃO

A posição de Ban Ki-moon chega no mesmo dia em que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que a crise política na Síria pode ser solucionada sem uma intervenção militar e disse que uma solução negociada é possível. As declarações foram feitas em entrevista ao canal americano NBC.

As afirmações de Obama mudam o temor de que Estados Unidos e os países membros da Otan pudessem fazer uma ação militar similar à ocorrida na Líbia para forçar a saída de Muammar Gaddafi, no ano passado, após o veto de China e Rússia à aplicação de um plano para a queda do ditador Bashar al Assad.

Mais cedo, a embaixadora americana na ONU (Organização das Nações Unidas), Susan Rice, lamentou o veto russo e chinês à resolução para o conflito na Síria e acusou os dois países de aumentarem o risco de guerra civil.

“Acredito que Rússia e China vão lamentar sua decisão, que os alinhou a um ditador agonizante cujos dias estão contados e que lhes pôs em uma posição complicada em relação ao povo sírio e à região em conjunto”.

A representante ainda afirmou que os dois votos foram “uma estaca no coração das tentativas de resolver o problema por vias pacíficas” e disse que Rússia e China estão “manifestamente com Assad”.

Yuri Kadobnov/France Presse
Ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, durante reunião realizada em Moscou
Ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, durante reunião realizada em Moscou

RÚSSIA

O chanceler russo, Serguei Lavrov, criticou os países ocidentais nesta segunda por não querer esperar a visita que terá com o ditador sírio Bashar al Assad nesta terça (7) para aprovar a resolução na ONU (Organização das Nações Unidas) contra o regime.

Irritado, Lavrov chamou de “falta de respeito” a proposta de votação no sábado e disse que os coautores do projeto trabalharam “com precipitação”. Ele defendeu o voto contrário ao projeto de resolução e se defendeu das críticas contra a atitude, chamando a reação do Ocidente de “indecente e histérica”.

A chanceler alemã, Angela Merkel, criticou nesta segunda-feira o veto de Rússia e China à resolução do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). Em comunicado lido por um porta-voz, afirmou que os dois países “são responsáveis pela continuidade do derramamento de sangue”.

Merkel considerou que o ditador Bashar al Assad não tem “mais nada para fazer” em seu mandato e pediu ao Conselho de Segurança o apoio às medidas da Liga Árabe para que seja feita a transição.

No domingo (5), os Estados Unidos prometeram duras sanções contra a Síria em resposta ao veto da Rússia e da China a uma resolução das Nações Unidas apoiando um plano da Liga Árabe, que pedia a Assad para deixar o poder.

O CNS afirmou que o veto à resolução contra o regime da Síria concede ao ditador e outras autoridades uma “autorização para matar com impunidade”. A reação da comunidade internacional sobre o veto chinês e russo também foi dura.

O ministro das Relações Exteriores britânico, William Hague, acusou a Rússia e a China de terem “abandonado” o povo sírio e de encorajar a brutal repressão do regime de Assad. O embaixador francês na ONU, Gérard Araud falou em um “dia triste para o Conselho, para os sírios e para os amigos da democracia”.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, considerou uma piada a decisão russa e chinesa de vetar a resolução. Hillary disse que os esforços fora da ONU para ajudar as pessoas da Síria devem ser redobrados agora. “Trabalharemos para buscar sanções contra a Síria e fortalecer as que já temos”, prometeu.

Reuters
Manifestante vestindo máscara leva bandeiras da oposição da Síria durante protestos
Manifestante vestindo máscara leva bandeiras da oposição da Síria durante protestos

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *