Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Dilma discutirá com presidente do Haiti imigração para o Brasil

Ela vai nesta quarta ao país, onde também visitará militares brasileiros.
Processo de reconstrução do Haiti também estará na pauta da visita.

A presidente da República, Dilma Rousseff, chega nesta quarta-feira (1) ao Haiti, onde faz sua primeira visita oficial desde que assumiu a Presidência. Na últimas segunda e terça, ela esteve em Cuba, onde manteve encontros com o ex-mandatário Fidel Castro e o irmão dele, o presidente Raúl Castro.

No país caribenho, Dilma deve conversar com o presidente do Haiti, Michel Martelly, sobre as medidas tomadas pelo governo brasileiro em relação aos imigrantes haitianos que chegam ao país.

No início de janeiro, o Conselho Nacional de Imigração, órgão ligado ao Ministério do Trabalho, aprovou a concessão de 1,2 mil vistos por ano para haitianos que pretendem migrar para o Brasil. O documento, válido por cinco anos, dá direito ao estrangeiro de trabalhar e trazer a família para o país pelo mesmo período.

Segundo o Ministério da Justiça, o visto foi concedido em caráter especial “em função dos problemas econômicos e humanitários decorrentes do terremoto de 2010”. O visto aos haitianos é classificado como especial porque permite a eles trabalhar sem precisar comprovar ter um emprego no Brasil.

Ao chegar ao Haiti, Dilma será recebida pelo líder haitiano no aeroporto internacional Toussaint Louverture, de onde seguirão para o Palácio Nacional.

Além da questão de imigração, a visita de Dilma também terá como foco o desenvolvimento econômico e o processo de reconstrução do Haiti. O Haiti ainda sofre com as conseqüências de um forte terremoto que atingiu o país em janeiro de 2010.

Exército
A presidente também se reunirá com representantes de outros setores envolvidos na cooperação entre Haiti e Brasil. Dilma fará uma visita ao batalhão brasileiro da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah). O Brasil comanda o contingente militar da Minustah desde sua criação, em 2004.

A diminuição do contingente brasileiro será também um assunto que Dilma e Martelly abordarão durante o encontro, segundo assinalou na última semana o chanceler brasileiro, Antonio Patriota.

* Com informações da agência EFE

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *