Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Dirceu critica proposta de eleições indiretas em Campinas

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu criticou, em seu blog pessoal, a decisão da Câmara Municipal de Campinas que prevê eleições indiretas para prefeito no dia 22 de março.

A Câmara definiu na semana passada que o novo prefeito, que terá mandato até o final de 2012, será escolhido apenas pelos 33 vereadores.

Após cassações, eleição indireta em Campinas ocorrerá dia 22 de março

As regras foram questionadas na Justiça Eleitoral pelo PC do B. O PT disse que ainda nesta semana também irá entrar com um pedido semelhante no TRE (Tribunal Regional Eleitoral).

O município terá de realizar as eleições extraordinárias porque tanto o prefeito, Hélio de Oliveira Santos (PDT), como o vice, Demétrio Vilagra (PT), eleitos em 2008, foram cassados pelos vereadores no ano passado.

Ambos foram acusados de omissão ou envolvimento num suposto esquema de fraudes em licitações denunciado pelo Ministério Público. Os dois negam que tivessem conhecimento do caso e buscam, na Justiça, retornar ao cargo.

Atualmente, o ex-presidente da Câmara Pedro Serafim (PDT) administra a cidade de forma interina.

Na última sexta (27), Dirceu publicou em seu blog a mensagem “democracia ameaçada em Campinas”. Segundo ele, “o pleito indireto, defendido por [Thiago] Ferrari [atual presidente da Câmara], não faz sentido. Somente o povo, diretamente, pode definir o mandato de um prefeito”.

Para o ex-ministro, esta proposta não é a primeira manifestação de “autoritarismo no parlamento campinense (sic)”, já que, para ele, a cassação de Vilagra foi “um capítulo de odiosa operação política da oposição”.

Segundo Dirceu, a Câmara está na “contramão dos direitos democráticos”, porque “os tempos de eleições indiretas já se foram neste país”.

DEFESA

Por meio de assessoria de imprensa, Thiago Ferrari (PTB) afirmou que a Lei Orgânica Municipal determina que, em caso de dupla vacância na prefeitura, sejam realizadas eleições em 90 dias.

“Estamos apenas cumprindo a lei. Se o TRE ou TSE [Tribunal Superior Eleitoral] determinarem que seja direta, vamos acatar”, informou.

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *