Willames Costa

Compromisso com a informação

Destaque

Divisão do Pará não é solução, diz governador

“O Brasil não precisa de mais Estados.” É assim que o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), mostra seu descontentamento com o plebiscito que consultará os paraenses, no próximo domingo, sobre a divisão do Estado.

Em entrevista à Folha, Jatene afirmou que a divisão, caso aprovada, abrirá um precedente para que outros projetos de criação de Estados sejam colocados em pauta no Congresso Nacional.

Plebiscito expõe diferenças culturais entre regiões do Pará
Governador do PA ataca marqueteiro em direito de resposta
Líderes separatistas do Pará são alvo de ações no Supremo
Duda Mendonça financia vaquejada no Pará

Adriano Vizoni/Folhapress
O governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), concede entrevista no escritório do Comando da Polícia Militar do Estado
O governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), concede entrevista no escritório do Comando da Polícia Militar do Estado

“As pessoas não estão querendo um Estado A, B ou C. O que elas querem é mais saneamento, mais educação, mais saúde, e isso é uma demanda legítima. Alguns políticos se aproveitam e apresentam a divisão como remédio para todos os males”, disse.

Caso haja divisão do Pará, serão criados os Estados do Carajás e do Tapajós.

Jatene inicialmente prometera a seus aliados que ficaria neutro durante o plebiscito, mas passou a se pronunciar publicamente nas três semanas finais da campanha.

Ele afirma que rompeu o silêncio porque a campanha a favor da divisão estava divulgando mentiras.

“Eu não posso aceitar que se vá para a frente da população e se diga que, com a divisão, a receita do Estado se multiplica por três. Isso não tem nenhum fundamento”, afirma o governador.

Na avaliação de Jatene, a discussão sobre a divisão do Pará tem raízes no “esgarçamento do pacto federativo”. “Há uma deficiência do Estado brasileiro. União, Estado e município não respondem às necessidades da sociedade”, disse Jatene.

“É uma questão séria. Imagine que isso abra uma esteira e que os outros projetos de divisão territorial sejam aprovados”, afirmou o tucano.

“Elites políticas terminam puxando isso e tentam fazer a sociedade encampar seus interesses, a partir de uma demanda legítima da própria sociedade”, disse Jatene.

INVESTIMENTOS

Ele rejeita as críticas de que o investimento nas regiões separatistas é baixo.

Segundo diz, proporcionalmente à população, os investimentos nas regiões onde seriam criados os Estados do Carajás (sudeste) e do Tapajós (oeste) já chegaram a ser maiores do que na região da capital, Belém.

“Por melhor que seja o governo, o bolo é pequeno para distribuir”, afirmou.

O governador ainda fez críticas ao processo de implantação da hidrelétrica de Belo Monte, no oeste do Pará.

“Do jeito que estão fazendo é uma doidice”, afirmou.

Os problemas só são discutidos “quando a questão ambiental está sendo atropelada, quando a prostituição infantil explode, quando a segurança pública não responde”, disse Jatene.

Ele defende que o BNDES financie um projeto de desenvolvimento regional a partir da projeção da arrecadação de tributos que Belo Monte trará nos próximos anos.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *