Willames Costa

Compromisso com a informação

Destaque Saúde

Encontro define Plano de Ações na Saúde para atender melhor a comunidade da região

Na manhã desta sexta-feira (30), estiveram reunidos na 15º Dires, representantes da Câmara Técnica de Educação Permanente em Saúde da microrregião de Juazeiro (Campo Alegre de Lourdes, Casa Nova, Sento Sé, Curaçá, Pilão Arcado, Remanso, Sobradinho e Uauá). O objetivo é dá inicio ao Plano de Ações de Educação Permanente na região, melhorando os serviços desde a atenção primária, passando pela especializada, até a rede hospitalar.

De acordo com o assessor técnico da Secretaria de Saúde de Juazeiro, Orlando Freire, a educação em saúde além de ser uma ação permanente, tem que qualificar todos os setores, resolvendo as demandas e consequentemente atendendo melhor a comunidade. “Pensar em Educação Permanente é um dever de todos e deve ser uma atitude constante. A Educação Permanente não pode atingir apenas três profissionais, pois é coletivamente que avançamos, traçamos novas estratégias, enfrentamos desafios, atingimos os objetivos, além de definirmos linhas de cuidados mais efetivas. Com isso poderemos ter uma perspectiva melhor dos nossos resultados daqui para frente”, frisou.

Na opinião da supervisora do Núcleo de Humanização e Educação Permanente de Juazeiro, Luciana Florintino, o Seminário de Atenção Integral à Saúde da Criança, ocorrido nesta semana já foi um grande passo para melhorar os serviços direcionados ao público infantil no município. “O evento foi uma oportunidade de unir os profissionais, alinhar ações e construir a metodologia adequada para qualificar os atendimentos em saúde. O momento também foi para tirar dúvidas e dar sugestões para facilitar o papel de cada um da equipe nas unidades. Isso já é um trabalho de Educação Permanente”, lembrou.

Para a representante da Câmara em Sobradinho, Blenda Silva Carmo, também coordenadora da Atenção Básica na cidade, a criação da Câmara Técnica é muito importante. “É uma forma de reunir todos os municípios, compartilhar problemas em comum, singularidades e trocar ideias. Podemos ter um problema em comum com outra cidade e o pensar em conjunto é sempre melhor. Sabemos que os métodos devem ser de cada município, mas unidos poderemos encontrar uma solução mais simples e fácil. Desta forma conseguiremos avançar e aprimorar os serviços, resolvendo o problema ou reduzindo-o”, concluiu.

Com Ascom/PMJ

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *