Willames Costa

Compromisso com a informação

Esporte Pernambuco

Felipe e Gideão se alternam no gol e torcida do Náutico já pede mudança

Apesar do bom início de temporada, o torcedor do Náutico anda preocupado com uma posição específica no time titular. Na verdade, a preocupação existe desde o ano passado, quando Gideão e Felipe se alternaram como donos da camisa 1 do Timbu durante toda a disputa da Série A do Campeonato Brasileiro.
Felipe iniciou a atual temporada como titular, mas bastaram alguns erros para que o nome de Gideão já começasse a ser gritado nas arquibancadas. Contra o Central, o ex-santista deu rebote em uma bola que ocasionou o gol da vitória da equipe de Caruaru. No entanto, foi contra o Pesqueira que a paciência dos alvirrubros parece ter chegado ao fim. O Náutico perdia por 2 a 0, conseguiu o empate e, nos minutos finais, o goleiro falhou de forma grotesca, ocasionando mais uma derrota do Timbu.

Atual titular, Felipe falhou em alguns jogos e vê parte da torcida pedir a volta do antigo ídolo, Gideão (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)
Atual titular, Felipe falhou em alguns jogos e vê parte da torcida pedir a volta do antigo ídolo, Gideão
(Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)

Apesar das críticas vindas das arquibancadas, nos vestiários do Náutico o apoio é total ao goleiro. Os jogadores e o técnico Vágner Mancini sempre que podem saem em defesa de Felipe. O preparador de goleiros, Eduardo Bahia, que já trabalhou com ele no Santos, foi mais longe e garantiu que o arqueiro ainda dará muitas alegrias ao torcedor do Náutico.

– Eu peço um pouco de paciência e um voto de confiança ao nosso torcedor. O Felipe vem crescendo de acordo com os jogos e treinamentos, assim como todo o time, e ainda dará muitas alegrias ao futebol pernambucano e, especificamente, ao Náutico.

Segundo Bahia, a pressão sobre os goleiros do Náutico acontece por conta de uma herança do ano passado, apesar da boa campanha alvirrubra na Série A.

– O torcedor precisa esquecer o que aconteceu no ano passado. Na verdade, o Náutico teve uma temporada brilhante e conseguiu a vaga para a Sul-americana. Agora é um ano novo e nós estamos fazendo um trabalho muito bem feito. Aconteceram oscilações no ano passado, mas agora ele vem evoluindo.

Trocas em 2012

Gideão jogou 17 rodadas da Série A de 2012 (Foto: Aldo Carneiro)
Gideão jogou 17 rodadas da Série A de 2012
(Foto: Aldo Carneiro)

As oscilações dos goleiros do Náutico em 2012 refletiram em campo com as opções do técnico Alexandre Gallo. Das 38 rodadas da Série A, Felipe esteve em campo em 21 delas e Gideão em 17.

Gideão começou o Brasileirão como titular e jogou os três primeiros jogos, mas, depois de uma derrota por 4 a 2 para o Vasco, acabou sendo substituído por Felipe. Com a confiança de Gallo por já terem trabalhado juntos, ele permaneceu por dez jogos e deixou o time antes do jogo contra o Santos, por questões contratuais.

Gideão voltou ao gol timbu, fez boas partidas e acabou sendo mantido por mais 13 jogos, até que falhou contra o Fluminense e foi novamente substituído por Felipe. O atual dono da camisa 1 do Náutico voltou para a reta final do Brasileirão e só não jogou mais uma partida. Novamente contra o Santos, por conta de questões contratuais. No entanto, desta vez, retornou logo em seguida e completou a disputa ajudando o Náutico na conquista da vaga na Copa Sul-americana.

– Eu não estava aqui no ano passado, mas as trocas ocorreram por questões de contrato e, algumas vezes, por opções técnicas do Alexandre Gallo e eu não tiro a razão dele. Não é o caso deste ano. Não vou julgar o goleiro por uma falha. Tenho que analisar o contexto como um todo e ele vem numa crescente, comentou o preparador Eduardo Bahia.

Fonte: Do Globo Esporte

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *