Willames Costa

Compromisso com a informação

Destaque

Frente pró-divisão arrecada R$ 1,3 mi no Pará

Turbinados pelo apoio de médios empresários, as duas frentes de campanha pela divisão do Pará já arrecadaram R$ 1,3 milhão.

O valor é cinco vezes a receita das duas frentes contrárias à divisão do Estado, que conseguiram R$ 242 mil.

Eleição no Pará opõe comércio à agricultura
Divisão do Pará é rejeitada por 58% dos eleitores, diz Datafolha
Paraenses célebres divergem sobre possível divisão do PA
Entenda o plebiscito que pode dividir o Pará

Ainda assim, as campanhas estão longe de atingir o teto de R$ 10 milhões para cada frente, estabelecido pelo TRE-PA (Tribunal Regional Eleitoral do Pará).

Também estão longe dos R$ 5,3 milhões gastos pelo atual governador Simão Jatene (PSDB) em sua eleição.

Os recursos foram contabilizados até o dia 11 de novembro, data de entrega da segunda parcial da prestação de contas de campanha.

Em 11 de dezembro, os paraenses votarão em um plebiscito para dizer se querem que o Estado se divida e dê origem a outros dois: Carajás (sudeste) e Tapajós (oeste).

EMPRESÁRIOS

A arrecadação é maior entre os separatistas porque os empresários dessas regiões se engajaram mais na campanha, na esperança de melhoria na infraestrutura.

De acordo com o deputado estadual João Salame Neto (PPS), que preside a campanha pelo Carajás, os principais doadores são os médios empresários da região.

A verba obtida até agora é usada principalmente na produção de programas de televisão e rádio.

Como os deslocamentos no Pará são muito caros, as frentes de campanha resolveram priorizar o horário eleitoral gratuito para atingir os domicílios mais distantes.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *