Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Governo sírio exige garantias escritas para o fim da violência

O governo sírio condicionou neste domingo o cumprimento do plano do enviado especial Kofi Annan, que inclui a retirada das tropas do regime das cidades, ao fim da violência protagonizada pelos supostos grupos terroristas, informou o Ministério das Relações Exteriores.

Em comunicado divulgado pela televisão síria, o porta-voz da Chancelaria, Jihad Maqdisi, assinalou que Annan não apresentou “garantias escritas” sobre a aceitação do fim da violência por parte dos terroristas nem quanto ao compromisso de Catar, Arábia Saudita e Turquia para que deixem de financiar estes grupos.

Desde que o governo firmou acordo para a retirada das tropas do regime das ruas, o país enfrenta uma escada de violência que ganhou força nos últimos dias.

No sábado, mais de 100 pessoas morreram nos confrontos entre oposição e tropas do regime na Síria, de acordo com o grupo opositor Comitês de Coordenação Local apesar da presença dos observadores da ONU (Organização das Nações Unidas) no país.

Os rebeldes confirmaram 41 mortes na localidade de Latmaneh, na província central de Hama, um dos maiores centros rebeldes, em uma ação das forças do governo do ditador Bashar al Assad. Os comitês afirmam que o Exército cercou Latmaneh ao amanhecer e bombardeou a região de forma indiscriminada.

Na sexta (6), o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, condenou os ataques na Síria, afirmando que são uma “violação” das exigências do Conselho de Segurança da ONU.

“O prazo fixado de 10 de abril para tal compromisso do governo sírio não é desculpa para se seguir matando”, afirmou Ban, que se disse “profundamente preocupado” com o agravamento da crise humanitária na Síria. “Os últimos relatórios sobre o aumento do número de refugiados são alarmantes”.

O papa Bento 16 pediu, neste domingo, o fim do derramamento de sangue na Síria e defendeu o diálogo e a reconciliação neste país, afetado por uma revolta popular duramente reprimida pelo regime de Bashar al-Assad.

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *