Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Governo terá ‘posição de respeito’ sobre CPI do Cachoeira, diz Dilma

A presidente Dilma Rousseff falou nesta sexta-feira (20) pela primeira vez sobre a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito Mista (CPMI) para investigar as relações entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira e agentes públicos e privados. Ela afirmou que “todas as coisas têm que ser apuradas”, mas disse que governo terá “uma posição absolutamente de respeito ao Congresso” em relação à investigação.

“Vou insistir nesse aspecto. Não me manifesto sobre esse assunto. A CPI é algo afeto ao Congresso. O governo federal terá uma posição absolutamente de respeito ao Congresso. […] Vocês acreditam mesmo que eu irei me manifestar, além das minhas múltiplas atividades que eu tenho que lidar todo dia, eu vou me manifestar na questão de outro poder? Acho que todas as coisas tem que ser apuradas, mas não me manifesto sobre a CPI”, disse a presidente.

“Eu não me manifesto sobre outro poder”, completou.

Mais cedo, o presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), afirmou que não há como controlar o andamento da CPI, mesmo com o partido presidindo a comissão.

“Não tem como controlar uma CPI depois que ela começa. A gente teve exemplo com a CPI do mensalão, com a CPI dos bingos. Não tem como controlar. Depois que ela começa é difícil controlar”, disse o senador.

A CPI será presida pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). Regimentalmente, a presidência da comissão cabe a um senador do PMDB, e a relatoria, a um deputado do PT, que são as maiores bancadas de cada Casa. Os dois cargos são os mais importantes da CPI.

Raupp afirmou que, embora o comando da CPI esteja nas mãos de partidos de apoio ao governo, não será “chapa branca”. “Fatos novos vão surgindo. Dificilmente será CPI chapa branca. Os próprios fatos vão acabar puxando as questões e não tem como segurar, como controlar uma CPI”, completou.

Valdir Raupp também negou que o partido usará o comando da comissão para fazer cobranças ao governo. “Este negócio de cobrar fatura, de cobrar compromissos por meio de uma CPI, não existe. Os compromissos foram feitos na campanha. O PMDB é aliado de primeira hora da presidente Dilma, tem o vice-presidente. Um partido do tamanho do PMDB não precisa usar uma CPI ou qualquer outro instrumento para cobrar fatura alguma”, afirmou.

A previsão é de que a comissão seja instalada na próxima quarta (25), com a escolha definitiva dos membros e elaboração de um plano de trabalho.

A CPI terá seis meses para investigar os fatos, mas o período pode ser prorrogado. Uma comissão de inquérito tem poderes para pedir quebra de sigilo fiscal e telefônico. Ao final, um relatório sobre a investigação será encaminhado para o Ministério Público Federal, que poderá tomar medidas judiciais cabíveis nas áreas cível ou criminal.

Fonte: Do G1, em Brasília

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *