Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Joaquim Barbosa libera relatório sobre mensalão aos colegas

Relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa (Sérgio Lima - 5.mai.11/Folhapress)

No último dia de trabalho do STF (Supremo Tribunal Federal) em 2011, o ministro Joaquim Barbosa liberou o relatório sobre o processo do mensalão para os colegas. Ainda não se trata do voto, mas uma espécie de resumo sobre o tema, com os argumentos dos 38 réus e da acusação, a PGR (Procuradoria-Geral da República).

O jornal “O Globo” publicou nesta terça-feira (20) que Barbosa concluiu a leitura de todo o processo e concluiu o relatório, um resumo da investigação em 122 páginas.

O voto, no qual ele definirá se existem provas suficientes para haver condenações, ainda não está pronto. Barbosa espera, com isso, que os demais ministros possam também começar a analisar o caso.

Peluso pede que relator disponibilize processo do mensalão a colegas ‘Dificilmente teremos prescrição de penas do mensalão’, diz procurador Mensalão terá prescrição de penas, diz Lewandowski

Ele tomou essa atitude na noite de ontem, como uma resposta à recentes declaraçõesdo ministro Ricardo Lewandowski, feitas em entrevista à Folha, de que alguns crimes imputados contra os acusados devem prescrever e que o processo pode ser julgado apenas em 2013. Apesar de ter enviado ainda este ano, os demais ministros só deverão começar a analisar o processo no ano que vem, quando voltam do recesso, que termina no início de fevereiro.

Lewandowski é o revisor do processo do mensalão, função tão importante quanto a do relator. Ele analisará o relatório e os demais dados do processo e produzirá um outro voto, que será apresentado logo após o voto de Joaquim Barbosa.

O ministro avalia, no entanto, que a quantidade de informações que deve ser estudada torna difícil a realização do julgamento no primeiro semestre no ano que vem. Ele diz, nos bastidores, que só terá condições de passar a se dedicar mais profundamente sobre o caso do mensalão a partir de abril, quando deixará a presidência do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Já Joaquim Barbosa acredita ser possível a análise do processo, em plenário, entre abril e maio.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *