Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Justiça ordena prisão domiciliar de capitão do naufrágio

A Justiça italiana determinou nesta terça-feira a prisão domiciliar para Francesco Schettino, capitão do cruzeiro “Costa Concórdia”, que naufragou na sexta-feira passada nas águas da ilha de Giglio (Itália). Ainda há informações imediatas se o advogado constituído deve recorrer da decisão.

Até o momento, foram encontrados os corpos de 11 pessoas mortas no naufrágio. Oficialmente continuam desaparecidos 29 pessoas cujas nacionalidades foram divulgadas mais cedo pelo governo.

Ouça telefona em que capitão revela ter deixado navio
Veja trabalho de resgate após naufrágio na Itália
Veja galeria de fotos do naufrágio
Navio que naufragou era um dos mais luxuosos do mundo
Veja tradução do telefonema em que capitão revela abandono de navio

A juíza de instrução de Grosseto (região central do país), Valeria Montesarchio, ditou essa medida após o interrogatório de Schettino na sede do tribunal nesta localidade, que permanece detido o sábado, de acordo com informações de seu advogado, Bruno Leporatti.

A Promotoria de Grossetto, que havia solicitado a prisão cautelar do capitão, acusa Schettino de homicídio culposo múltiplo e abandono do navio, entre outras acusações, com pena de 15 anos de prisão.

TELEFONEMA

O capitão Francesco Schettino rejeitou ordens de retornar e ajudar os passageiros do navio, que naufragou na sexta-feira passada. A informação foi confirmada por um telefonema gravado entre Schettino e a Capitania dos Portos, que foi publicado nesta terça-feira na imprensa italiana.

Às 21h54 (18h54 de Brasília), com o navio já encalhado em frente à ilha de Giglio, no centro da Itália, o capitão garantiu que tudo estava bem e enfrentava apenas um problema técnico.

Segundo o telefonema entre Schettino e o capitão Gregorio de Falco, da Guarda Costeira em Livorno, o comandante chegou a alegar que estava “escuro” e por isso não poderia ajudar os cerca de 4.000 passageiros e tripulantes a bordo.

  Alessandro La Rocca/Associated Press  
Francesco Schettino, comandante do navio "Costa Concordia", deixa corte de Grosseto, na Itália; ele enfrenta processo por abandonar o navio
Francesco Schettino, comandante do navio “Costa Concordia”, deixa corte de Grosseto, na Itália; ele enfrenta processo por abandonar o navio

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *