Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Kassab defende Constituinte em 2014 e diz que PSD é ‘de centro’

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, defendeu nesta quarta-feira (28) uma Assembleia Nacional Constituinte Exclusiva em 2014 e afirmou que o seu novo partido, o PSD, é “de centro”.

“A questão de centro é ideológica. Está desvinculada da relação do apoio ou não ao governo federal. Em relação ao governo federal, a nossa posição será de independência. Independência para que os parlamentares que se somaram a esse partido e tenham já sua posição, alguns a favor, outros contra, continuem tendo essa liberdade. Não teria sentido, seria uma incoerência, para um partido que quer inovar, que quer ser diferente, impor ao parlamentar uma mudança de conduta”, disse ele em entrevista ao “Bom Dia Brasil”, da TV Globo.

Justiça Eleitoral aprova criação do PSD de Kassab
Reconhecimento do PSD aumentará corrida por filiações
Romário negocia filiação ao PSD de Kassab
Líderes do PSD comemoram decisão
Blog do Josias:Presidente do DEM considera PSD ‘assunto encerrado’
Veja a cronologia da criação do PSD de Gilberto Kassab

O processo de criação da nova sigla ocorreu sob fortes suspeitas de fraude na coleta dessas assinaturas, entre elas uso da máquina da prefeitura e fraude na coleta de assinaturas –algumas de pessoas mortas.

Kassab afirmou que as denúncias não têm fundamento. “Em todos os Estados, o partido foi aprovado pelos TREs [Tribunais Regionais Eleitorais] por unanimidade. Fica claro, e vamos olhar para frente, que eram denúncias sem fundamento. Em alguns casos, armação de adversários, lamentáveis.”

CONSTITUINTE

O prefeito promete apresentar ainda hoje um manifesto defendendo a criação de uma Assembleia Nacional Constituinte Exclusiva em 2014, para tratar da atualização da Constituição Federal.

“Ela seria paralela ao funcionamento do Congresso para que as reformas efetivamente aconteçam”, disse ele.

Kassab disse que já pediu à senadora Kátia Abreu que apresente um projeto no Senado para que “tenhamos uma campanha de mobilização”.

“Para que possamos ter as reformas fundamentais –da Previdência, política, trabalhista, administrativa.”

NOVO PARTIDO

Por 6 votos a 1, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprovou ontem a criação do PSD. Com a decisão, o partido poderá disputar as eleições municipais do ano que vem.

O julgamento foi retomado após pedido de vista do ministro Marcelo Ribeiro. O tribunal viveu um impasse na semana passada, pois uma resolução do TSE exigia que o partido incluísse em seu pedido de registro as listas de apoio da população certificadas pelos TREs, mas o PSD apresentou essas listas certificadas apenas pelos cartórios eleitorais.

Acontece que a legislação eleitoral não chega a falar sobre as certificação dos tribunais, limitando-se à apreciação dos cartórios. Ribeiro entendeu que tratava-se, na realidade, de uma “falsa incompatibilidade”.

Segundo ele, a resolução do TSE cita os tribunais regionais somente porque o partido precisa do registro em pelo menos nove Estados para fazer o pedido à corte superior.

Sérgio Lima/Folhapress
Plenário do TSE ficou lotado durante a sessão que julgou a criação do PSD
Plenário do TSE ficou lotado durante a sessão que julgou a criação do PSD

Ribeiro disse que, como nos TREs, o partido precisa apenas do apoio de 0,1% do eleitorado local, e no TSE, necessita de apoio equivalente a 0,5% do total de votos recebidos nas eleições para deputado federal, o partido não precisa entregar todas as listas certificadas nos tribunais regionais.

Ao final de seu voto, Ribeiro entendeu que o PSD entregou tudo o que era necessário, tendo conseguido cerca de 510 assinaturas –a lei exige 492 mil–, seguindo a relatora Nancy Andrighi. “A resolução não contraria a lei, apenas não cogitou da hipótese [de listas certificadas apenas pelos cartórios]”.

Após o voto do ministro, o colega Teori Zavascki, que tinha votado pela realização de investigações, mudou de voto. Ele, Arnaldo Versiani, Cármen Lúcia e o presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, também acompanharam a relatora. O único voto contra a criação do partido foi de Marco Aurélio Mello.

RELATORA

Na quinta-feira passada, Nancy Andrighi votou a favor da criação do PSD. Segundo ela, o PSD conseguiu comprovar que obteve o registro de diretórios regionais em 16 TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) e que colheu 514,9 mil assinaturas de eleitores em apoio à sua criação da sigla –4,9 mil a mais do que contabilizou Marcelo Ribeiro.

O processo de criação da nova sigla ocorreu sobre fortes suspeitas de fraude na coleta dessas assinaturas, entre elas uso da máquina da prefeitura e fraude na coleta de assinaturas –algumas de pessoas mortas.

BANCADA

O PSD já nasce com 40 deputados federais em exercício –representando a sexta maior bancada da Câmara dos Deputados, ao lado do PP –mas planeja chegar a 52. Com a criação do novo partido, o DEM perde 17 dos 44 deputados em atividade, ficando com uma bancada de 27. Maior alvo do PSD, o DEM cai um ponto no ranking de bancadas, passando de sexta para sétima maior da Casa.

Oficialmente, o PSD tem 43 deputados eleitos e mais quatro suplentes. Mas sete de seus titulares estão licenciados para ocupar cargos de secretários em seus Estados. Por isso, na atual configuração da Câmara, ele fica com 40 deputados federais em exercício.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *