Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Liga Árabe vai à ONU por apoio sobre Síria no Conselho de Segurança

O secretário-geral da Liga Árabe, Nabil Arabi, viajará a Nova York no sábado com uma delegação da organização para se reunir com os membros do Conselho de Segurança da ONU. O intuito do encontro é buscar o apoio do órgão ao plano árabe para a Síria.

Em declarações aos jornalistas concedidas na sede da organização no Cairo, Arabi afirmou que a reunião está prevista para acontecer na segunda-feira (30), na qual será acompanhado pelo ministro das Relações Exteriores do Qatar, Hamad Thani, que lidera o grupo de contato da Liga Árabe para a Síria.

A organização pan-árabe havia solicitado um encontro com a ONU para conseguir o apoio ao plano árabe, que pede ao ditador sírio, Bashar Assad, que transfira seus poderes ao vice-presidente e forme um governo de união nacional.

Damasco rejeitou o plano taxativamente, e acusou a Liga Árabe de tentar interferir nos assuntos internos sírios e de conspirar com lideranças estrangeiras para prejudicar o regime.

Na terça-feira (24), o ministro das Relações Exteriores da Síria, afirmou que “metade do universo” está conspirando contra o regime de Assad, que “tomará qualquer medida para se defender do caos” –dando sinais de que Damasco continuará com a repressão às manifestações de opositores.

A informação da viagem à ONU chega um dia depois de a alta comissária para os direitos humanos, Navi Pillay, anunciar que a organização desistiu de compilar os dados sobre as vítimas da repressão na Síria devido às dificuldades existentes para obter informações.

Suhaib Salem/Reuters
Plenário da Liga Árabe, em Cairo, na reunião de domingo; chanceleres exigem saída de Bashar Assad
Plenário da Liga Árabe, em Cairo, na reunião de domingo; chanceleres exigem saída de Bashar Assad

Nesta quinta-feira, a Rússia afirmou que continuará a promover sua proposta de resolução para a Síria no Conselho de Segurança da ONU, em detrimento a propostas dos Estados Unidos e países da Europa que pedem a intervenção militar no país árabe.

“A Rússia apresentou sua própria proposta e trabalhou com ela levando em conta as alterações sugeridas pelos nossos colegas ocidentais. Ela permanece na mesa de negociação. As consultas sobre o projeto continua”, disse Alexander Lukashevich, porta-voz do gabinete do primeiro-ministro russo, Vladimir Putin.

CONTAGEM

Em dezembro, a ONU havia atualizado a contagem de civis mortos nas ações violentas das forças de segurança em 5.000 pessoas, e, desde então, não foi divulgado nenhum novo número sobre o assunto.

O regime de Assad se defende dizendo que, na verdade, combate terroristas armados, e não manifestantes pró-democracia. Segundo as autoridades sírias, mais de 2.000 membros das forças de segurança morreram nas operações.

Kahled Desouki – 22.jan.12/France Presse
Sírios residentes no Egito fazem manifestação no Cairo em frente a sede da Liga Árabe
Sírios residentes no Egito fazem manifestação no Cairo em frente a sede da Liga Árabe

“Há uma grande fragmentação no terreno. Algumas regiões do país estão totalmente fechadas, como Homs, por isso, não podemos atualizar os dados”, afirmou Pilay.

APOIO

O secretário-geral da Liga Árabe reafirmou nesta quinta-feira seu apoio e confiança à missão de observadores árabes na Síria e seu chefe, o sudanês Mohamed Dabi. A organização decidiu continuar as atividades após reunião no último domingo (22).

O chefe da organização disse que os monitores desempenham sua função “de uma maneira profissional e séria em meio a circunstâncias muito difíceis”.

Ele ainda mostrou preocupação com a tensão no país e pediu o término imediato de todo tipo de violência, além de fazer um chamado ao regime do ditador Bashar Assad para não aumentar a repressão militar.

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *