Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Mais de 100 usuários foram internados em ação na cracolândia

O balanço divulgado nesta quinta-feira pela Secretaria Municipal da Saúde aponta que 106 usuários de drogas foram internados desde o início da ação da Polícia Militar na cracolândia, região central de SP, no dia 3.

PM ficará na cracolândia por meses, diz Alckmin em vídeo

Até hoje, foram realizadas 2.367 abordagens e 436 encaminhamentos a unidades de saúde.

A secretaria afirma que possui 1.200 leitos psiquiátricos em hospitais gerais, comunidades terapêuticas ou em sua clínica própria, o Said (Serviço de Atenção Integral ao Dependente).

O número de internações supera a média nos meses anteriores à ação: de julho de 2009 até antes do início da operação, foram 2.888 internações de usuários no centro de SP –média de 96 registros por mês.

OPERAÇÃO

A Polícia Militar realiza desde o dia 3 uma operação na região da cracolândia para combater o tráfico de drogas e evitar aglomerações de dependentes na região. A operação deve persistir na região por tempo indeterminado.

Em entrevista aos repórteres especiais Fernando Canzian e Vaguinaldo Marinheiro, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que a operação da Polícia Militar de combate ao tráfico e ao consumo de drogas na cracolândia não tem prazo para acabar.

No mesmo dia em que o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou R$ 6,4 milhões para o tratamento de usuários, Alckmin disse que irá dobrar, de 400 para 800, as vagas para o atendimento de viciados.

O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, afirmou que traficantes pequenos já foram presos e o Denarc (Departamento de Investigações sobre Narcóticos) está trabalhando para mapear o caminho da droga que chega a região.

Já em relação aos dependentes, a polícia faz rondas pela região para evitar as aglomerações. Reportagem da Folha flagrou inclusive o uso de balas de borracha e bombas de efeito moral contra os usuários. O secretário afirmou que após a reportagem, os policiais foram proibidos de portar os equipamentos.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *