Willames Costa

Compromisso com a informação

Esporte

Marcos Assunção, cem jogos, rejeita rótulo de salvador

SPFW 2012

O volante Marcos Assunção, 35, completará amanhã cem jogos pelo clube, foi homenageado com uma camisa especial, declarou que ama o Palmeiras, mas se mostrou incomodado com a máxima de que os gols do time depende de sua bola parada

O clube enfrentará a Portuguesa nesta quarta-feira, no Pacaembu, às 22h.

“É fácil, escanteio é só cruzar. Zagueiros e atacantes bem posicionados fazem o gol. Não tem segredo, treinamos durante a semana. Já falta é treinamento, capacidade, mas os escanteio não tem segredo, não”, disse.

Rubens Cavallari/Folhapress
Marcos Assunção (esq.) conversa com Maikon Leite durante pausa no treino do Palmeiras
Marcos Assunção (esq.) conversa com Maikon Leite durante pausa no treino do Palmeiras

Assunção disse que aprendeu a amar o Palmeiras. “É uma relação de amor e respeito. Aos 35, poder completar a marca de cem jogos é muito bom. Estou feliz. Completar 200 jogos, acho que não vai dar. Mas vou fazer o máximo de partidas esse ano, fazer com que a equipe consiga grandes vitórias”, disse.

Também lamentou o fato de, até aqui, não ter conquistado títulos com o clube. “A única coisa que me chateia é não ter conseguido nada nesses quase dois anos. Ruim seria se eu estivesse jogando na terceira divisão, com todo respeito aos times da terceira divisão. Mas jogar no Palmeiras é um orgulho.

Questionado sobre o encerramento de sua carreira, já que declarou que para de jogar no fim do ano, Assunção deixou no ar a possibilidade de adiar sua aposentadoria.

“Não sei se um título mudaria minha ideia, talvez faça eu terminar minha carreira mais feliz. Mas estamos em janeiro, ainda. O atleta depende do corpo, vamos ver como vou me sentir no último ano. A partir do momento que eu não aguente mais as lesões, pela carga de treinos, é a hora de parar” afirmou.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *