Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Militares são deslocados para delegacias de Fortaleza (CE)

Com o fim da greve da PM e o início da paralisação da Polícia Civil no Ceará, militares do Exército que estavam atuando nas ruas de Fortaleza foram deslocados para delegacias e para a sede da Polícia Civil para “garantir a continuidade dos serviços e a preservação das instalações”.

Veja fotos da greve de policiais em Fortaleza Ouça relato de repórter sobre o clima de tensão no CE Com PM em greve, comércio teme arrastão e fecha as portas no Ceará Após acordo, PM e bombeiros do Ceará encerram greve PM e bombeiros do CE voltam ao trabalho; polícia civil paralisa

A informação foi dada pelo Comando da 10ª Região Militar do Exército, que assumiu o controle da segurança pública no Estado após o início da greve.

Em nota, o Exército informou que a operação montada para garantir a segurança no Estado só será desmobilizada após ordem da presidente Dilma Rousseff. Segundo a nota, isso só deve acontecer quando o policiamento e as ações de resgate –de responsabilidade dos bombeiros, que também pararam– estiverem normalizadas.

Mais de mil militares das Forças Armadas e cerca de 250 agentes da Força Nacional de Segurança estão no Estado.

GREVE

A greve da Polícia Militar e dos bombeiros gerou pânico na capital cearense. Ontem (3), estabelecimentos comerciais de Fortaleza foram fechados devido ao temor de arrastões, assim como órgãos públicos, como o Tribunal de Justiça do Ceará.

Em Fortaleza, os boatos de arrastões chegam a indicar locais e horários onde ocorrerão os assaltos. O medo se espalhou pelas lojas, quiosques, barracas na praia e restaurantes. Todos fecharam antes do meio-dia, atrapalhando os planos de turistas que visitam a cidade.

A PM e o Corpo de Bombeiros do Ceará devem retornar ao trabalho hoje após a greve que durou seis dias. A Polícia Civil, no entanto, iniciou ontem uma nova paralisação.

Segundo o Sinpoci (Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Ceará), a categoria quer a redução da carga horária de oito para seis horas diárias, reajuste salarial e o pagamento de um subsídio equivalente a cerca de 60% do valor pago aos delegados de polícia do Estado.

Até as 8h40 desta quarta (horário de Brasília), no entanto, o sindicato ainda não tinha um balanço de adesão a paralisação.

A greve da Polícia Civil é a terceira registrada em menos de um ano. O sindicato da categoria já havia promovido greves em julho e em outubro de 2011.

O acordo com o governo que encerrou a greve da PM e dos bombeiros incluiu um reajuste de 56%, deixando o salário em R$ 2.634, e uma redução na jornada de trabalho de 46 para 40 horas semanais, além da implantação de um auxílio-alimentação de R$ 10 por dia (os policiais militares não recebiam nada até então, só os civis).

Também ficou combinado que nenhum dos policiais ou bombeiros que participaram das paralisações serão punidos.

Jarbas Oliveira – 03.jan.12/Folhapress
Lojas ficaram fechadas ontem em Fortaleza devido ao medo de arrastão; PM decidiu encerrar greve
Lojas ficaram fechadas ontem em Fortaleza devido ao medo de arrastão; PM decidiu encerrar greve

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *