Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Ministro da Saúde anuncia R$ 6,4 milhões para tratar viciados em SP

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou na manhã desta nesta quarta-feira um investimento de R$ 6,4 milhões para programas de tratamento de dependentes químicos na cidade de São Paulo.

Veja imagens do ‘churrascão’ na cracolândia
Veja imagens da ação policial na cracolândia
Prefeitura de SP vai de demolir imóveis na cracolândia
Cidades do interior de SP já possuem ‘minicracolândias’
Reunião selou uso ostensivo da PM na cracolândia

O anúncio foi feito durante a primeira visita de representantes do governo federal na cracolândia, na região central, depois do início da operação policial na área.

De acordo com o ministro, metade da verba já estava prevista para ser repassada no primeiro semestre deste ano.

Apu Gomes/Folhapress
O prefeito Gilberto Kassab (PSD) e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, visitam a cracolândia
O prefeito Gilberto Kassab (PSD) e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, visitam a cracolândia em São Paulo

Acompanhado do prefeito Gilberto Kassab (PSD), Padilha visitou uma unidade para acolhimento e tratamento de usuários de droga em construção na rua Prates.

Reportagem da TV Folha mostrou que o principal investimento da prefeitura na cracolândia, o Complexo Prates, capaz de atender até 1.200 pessoas ao dia, será inaugurado mesmo incompleto.

O ministro também visitou ambulatórios e Caps (Centro de Atenção Psicossocial), e anunciou que 16 equipes de saúde que atuam em São Paulo serão treinadas para se tornar “consultórios de rua”. O projeto visa atender o usuário na própria rua.

BANDEIRA

Reportagem da Folha de ontem (17) revelou que Kassab e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) decidiram em dezembro pelo uso ostensivo da PM na cracolândia. A data para o início da operação foi marcada para o dia 3 de janeiro.

A definição de data teve combustível político. No dia 23 de dezembro, a presidente Dilma Rousseff e o ministro Padilha anunciaram em São Paulo a participação dos movimentos sociais no plano “Crack, é possível vencer”.

Atento à movimentação e sob cobrança do eleitorado, Alckmin temia que o PT assumisse a bandeira. Padilha é tido como potencial candidato ao governo em 2014.

Na prefeitura, o medo era que a União se apropriasse do programa municipal de atendimento móvel aos dependentes.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *