Willames Costa

Compromisso com a informação

Esporte

Palmeiras esbarra na retranca do Catanduvense e fica no 1 a 1


SPFW 2012
O ano é 2012, mas o Palmeiras parece ter ficado em 2011. Repetindo os erros que levaram a equipe a uma péssima temporada, o time esbarrou na retranca do Catanduvense, saiu atrás do placar, e só conseguiu um empate jogando fora dos seus domínios. Com o 1 a 1 deste domingo, a equipe chega ao seu segundo tropeço seguido — empatou por 1 a 1 com a Portuguesa na quarta-feira. Assim, o time vai aos cinco pontos.

O Catanduvense chega aos dois pontos, porém continua na zona de rebaixamento.

De bom, o Palmeiras pode contar com a presença de Daniel Carvalho, que foi o melhor enquanto esteve em campo.

Na próxima rodada, o time da capital recebe o Mogi Mirim, enquanto o Catanduvense vai até Ribeirão Preto enfrentar o Comercial.

A PARTIDA

O jogo marcava a despedida do auxiliar Flávio Murtosa à frente da equipe. Ele comandou o Palmeiras nas três partidas em que o técnico Luiz Felipe Scolari ficou suspenso.

O time entrou em campo sem o seu principal jogador. Valdivia, que não se recuperou de uma pancada no tornozelo, ficou de fora. Tinga, sequer foi relacionado. Com isso, Daniel Carvalho entrou como titular pela primeira vez. E Maikon Leite se juntou a Ricardo Bueno no ataque.

E eram justamente as duas novidades de Murtosa que se destacavam mais no jogo. Carvalho, mesmo visivelmente acima do peso, era o toque de qualidade no meio de campo. O camisa 83 buscava sempre os passes para deixar os atacantes na cara do gol. Mas, sem ritmo, pecava no excesso de força, na maioria das vezes.

Já Maikon Leite era a válvula de escape do time. Sempre em velocidade, buscava jogo pelas pontas.

Mesmo jogando fora de casa, o Palmeiras era melhor, mas não tinha profundidade nas jogadas de ataque. Com isso, as tentativas de gol da equipe se resumiam às bolas alçadas na área. Chegava nas faltas laterais e escanteios cobrados por Marcos Assunção, ou nos cruzamentos de Maikon Leite.

E foi com Daniel Carvalho que o time teve sua melhor chance. O meia roubou a bola do zagueiro, invadiu a área e serviu Ricardo Bueno. Mas na hora de marcar, o centroavante foi travado.

Na volta para o segundo tempo, Murtosa tentou uma mudança para dar mais força ao ataque do Palmeiras, invertendo os lados de Maikon Leite e Luan. O time insistia nas jogadas áreas. Descontente, o treinador então substituiu Luan pelo meia Pedro Carmona.

Na sequência, o time teve duas ótimas oportunidades, com Maikon Leite, que recebeu assistência de Daniel Carvalho, mas chutou na rede pelo lado de fora, e com Marcos Assunção, que acertou o travessão em cobrança de falta.

Os donos da casa responderam também em cobrança de falta na trave com Alemão.

Pouco depois, Assunção obrigou João Paulo a ótima defesa em mais uma falta muito bem batida.

Daniel Carvalho, o melhor em campo, cansou na metade da segunda etapa e foi substituído por Patrik.

Pouco depois, em um erro grosseiro de Leandro Amaro, o Catanduvense abriu o placar. O beque abriu demais o braço na hora de tentar dominar a bola. Pênalti que Osny bateu com categoria para fazer o 1 a 0 aos 30min.

Logo depois o gol sofrido, Murtosa se rendeu. Já que o Palmeiras só ameaçava nas jogadas áreas, ou em cobranças de falta, o treinador sacou Maikon Leite para colocar Fernandão, especialista no quesito. E a estratégia deu certo.

No seu primeiro toque na bola, quase saiu o empate. Ele tocou por cima de João Paulo, mas Ricardo Bueno chegou atrasado e não conseguiu marcar. Um minuto depois, João Paulo espalmou para escanteio chute de Marcos Assunção.

Na cobrança, Fernandão subiu mais que a zaga e empatou, aos 39min.

No fim, na base do abafa, quase o time da capital virou. Mas ficou só no quase.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *