Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Paquistão bombardeia esconderijos de tribos após ataques de terroristas

Aviões de combate do Paquistão bombardearam esconderijos em áreas tribais próximas da fronteira com o Afeganistão nesta quarta-feira, afirmaram as autoridades, no ápice de dois dias de violentos confrontos nas últimas semanas, iniciados por ataques do Taleban paquistanês.

As ações provavelmente irão dificultar as conversações preliminares de paz entre o governo do Paquistão e o grupo Tehrik-e-Taleban Pakistan (TTP), após a morte de 78 talebãs e dez soldados paquistaneses, além de vários feridos durante o combate.

O movimento do TTP, Al Qaeda e do Taleban afegão, que lutam contra as forças do Ocidente no Afeganistão, está entrincheirado em áreas tribais no noroeste do Paquistão. Uma série de ofensivas militares não conseguiu deter os grupos.

Naved Shehzad/Efe
Soldado morto no atentado de terça (31) é velado; Paquistão bombardeia esconderijos de terroristas após ataque
Soldado morto no atentado de terça (31) é velado; Paquistão bombardeia esconderijos de terroristas após ataque

ATENTADO

As operações desta quarta-feira foram uma resposta a ataques do Taleban a um posto de segurança, que matou dez soldados paquistaneses e feriu outros 32, afirmaram oficiais de segurança.

O jato paquistanês bombardeou duas bases de militantes em Jogi, na região tribal de Kurram, em que 12 militantes da TTP e seis uzbeques foram mortos.

Os aviões atingiram outras posições militares na área próxima de Mamozai, na região tribal de Orakzai, em que 20 militantes e dois alto-comandantes foram mortos, acrescentaram as autoridades.

O número de mortos divulgado pelos militares do Paquistão não pôde ser verificado de forma independente e os militantes costumam refutar as contas oficiais. Um porta-voz da TTP disse que os dois comandantes estavam vivos.

Desde o início do ano, o Exército e as Forças Aéreas do Paquistão têm conduzido operações contra militantes na região de Kurram.

DA REUTERS, EM PARACHINAR

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *