Willames Costa

Compromisso com a informação

Esporte

Paulista vê recorde de centenários

Questiona-se a qualidade e o interesse dos clubes. Mas não se questiona a tradição. O Campeonato Paulista, que começou neste sábado, é um autêntico resgate à história deste que é o mais antigo Estadual de futebol do Brasil.

Dos 20 clubes participantes, seis são centenários ou quase. Corinthians, Ponte Preta, Guarani, Comercial, Paulista e Santos, que faz aniversário em abril, têm pelo menos cem anos.

É um recorde dentro do próprio Paulista e também em relação a outros Estaduais –empata com o Rio de Janeiro, onde o Flamengo, por exemplo, tem 116 anos. Quando se calcula a média de idade dos clubes, o Paulista-2012 também é um senhor.

Adriano Vizoni – 30.mar.2011/Folhapress
Torcedores acompanham partida do Guarani, que fez cem anos em 2011
Torcedores acompanham partida do Guarani, que fez cem anos em 2011

Nesta edição, os 20 times participantes têm, em média, 80,2 anos. O torneio supera o Estadual do Rio (78,6 anos) e é batido pelos Estaduais de Minas Gerais (81,9 anos) e Rio Grande do Sul (81,8 anos).

Chama a atenção, porém, o envelhecimento que o Paulista teve em relação ao ano passado. Em 2011, a idade média foi de 72,4 anos. Fruto daquilo que Marco Polo Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol, chama de Estado cíclico.

“Os clubes que subiram [de divisão] agora podem não estar na elite na edição do ano que vem. É um Estado cíclico”, declarou o cartola. O interior de São Paulo tem grande parcela de responsabilidade pelo envelhecimento desta edição do torneio.

Da Série A-2 de 2011 subiram Guarani e Comercial, dois centenários, e o XV de Piracicaba, que em novembro vai completar 99 anos.

“Os clubes que têm tradição dificilmente morrem. Eles passam por momentos difíceis, às vezes por anos, até décadas, mas sempre ressurgem”, disse Del Nero. Que o diga o Comercial, que disputou neste sábado um jogo da primeira divisão depois de ficar quase três décadas longe da elite.

E que, no sábado que vem, enfrentará seu arquirrival Botafogo no Come-Fogo, um dos mais tradicionais clássicos do interior do Estado, ao lado do dérbi de Campinas. Neste ano, Ponte Preta e Guarani duelam e celebram exatos cem anos do clássico.

Enquanto clubes tradicionais sobem, agremiações que surgiram como novidade nas últimas temporadas descem. Na Série A-2 deste ano há equipes jovens, como São Bernardo –que caiu no ano passado–, Red Bull e Audax. Mas também há equipes tradicionais, como Ferroviária, América e Velo Clube, que tentam voltar à elite.

Se os clubes grandes costumam torcer o nariz para o Estadual, os pequenos enxergam no Paulista a chance única de ganhar dinheiro, revelar jogadores e chamar a atenção em meio a um calendário que deixa o interior do Estado praticamente órfão no segundo semestre. Também é a chance de continuar fazendo a história do futebol.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *