Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Polícia apura vazamento de fotos de crime em Mairiporã (SP)

Não bastasse o mistério sobre o assassinato de Geralda Lúcia Ferraz Guabiraba, 54, encontrada dia 14 sem os olhos, a pele e a musculatura do rosto, a Polícia Civil agora também investiga quem espalhou pela internet fotos do corpo da dona de casa.

Polícia analisa imagens em caso de mulher morta em Mairiporã
Polícia ouve porteiros sobre caso de mulher morta em Mairiporã
Dona de casa morta em Mairiporã estava diferente, diz família
Polícia recebe ligação sobre caso de mulher morta em Mairiporã

Para descobrir quem divulgou as fotos, a Polícia Civil em Mairiporã (Grande SP) solicitou à Justiça autorização para rastrear vários IPs (identificadores dos computadores que se conectam à internet).

Reprodução/Facebook
Foto de Geralda Guabiraba, 54, postada por sua filha no Facebook com a legenda "Te amo...Saudades"
Geralda Lúcia Ferraz Guabiraba, 54; imagem foi postada por sua filha no Facebook com a legenda “Te amo…Saudades”

“Temos ideia de quem espalhou essas imagens, que são desrespeitosas para a vítima e sua família, mas precisamos confirmar a identificação dos envolvidos com investigação”, afirmou a delegada Cláudia Patrícia Dalvia, responsável pelo caso.

Um conjunto de oito imagens do corpo de Geralda circula pela internet e também entre membros das polícias Militar e Civil de São Paulo.

Em ao menos duas delas é possível ver policiais militares perto do corpo de Geralda –em uma delas aparece uma bota preta, do mesmo modelo usado por policiais militares em SP. PMs têm o dever de preservar cenas de crimes violentos.

Na sexta-feira, o juiz Cristiano Cesar Ceolin determinou que os sites retirem da rede as fotos do corpo.

Geralda era mulher de José Pereira Guabiraba, um dos diretores comerciais do Grupo Estado.

O corpo dela foi encontrado por PMs na altura do km 8 da Estrada da Santa Inês, em Mairiporã, onde fica a Pedra da Macumba, assim chamada por ser usada por praticantes de religiões afro-brasileiras para fazer oferendas.

Segundo a perícia, Geralda morreu em decorrência de um grande corte no pescoço. Ela também sofreu uma pancada nas costas, provavelmente quando estava ajoelhada.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *