Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Popularidade de Chávez dispara para quase 60%, diz pesquisa

Fernando Llano/Associated Press

A aprovação ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disparou 10 pontos entre julho e setembro e alcançou 58,9% em meio às incertezas sobre o câncer que ele enfrenta, mostrou uma pesquisa de um respeitado instituto de sondagens.

A intenção de voto em Chávez, que garante que já está recuperado do câncer do qual foi operado em junho, em Cuba, alcançou 40% em setembro em comparação a 31% em julho, informou na terça-feira o Datanálisis, que não forneceu detalhes técnicos da pesquisa.

Chávez espera estender em outubro de 2012 por mais seis anos seu mandato iniciado em 1999, e enfrentará nas urnas o candidato da oposição que ganhar as eleições primárias previstas para fevereiro.

Mas a pesquisa revelou que nem tudo está bem para Chávez. Apesar do salto em sua avaliação e intenção de voto, a maioria dos venezuelanos não apoiaria uma reeleição do militar aposentado de 57 anos, cujo governo lida com a crescente criminalidade, falta de moradias e inflação acelerada.

“Apesar do aumento da aprovação da gestão de (Chávez), seis de cada 10 venezuelanos prefeririam que o presidente não fosse reeleito”, disse o diretor da empresa de pesquisa, Luis Vicente León, em mensagem no Twitter.

Ele ressaltou que a forma como o governo gerenciou a comunicação sobre a doença do presidente Chávez “foi favorável” a ele, apesar dos rumores permanentes sobre que tipo de câncer ele sofre e supostas reações adversas aos ciclos de quimioterapia.

POPULAR

Em agosto, três empresas de pesquisa asseguraram que a popularidade de Chávez subiu após ele anunciar que sofria de câncer, mas advertiram que isso poderia diminuir à medida que a doença passasse para o segundo plano no calor da campanha presidencial de 2012.

O presidente disse que seu aumento nas pesquisas mostra que as pessoas sabem escolher entre o amor de sua revolução socialista e o plano de ódio que, segundo ele assegura, a oposição implementará se chegar ao poder. “Somos espontâneos, transparentes. Também cometemos erros, somos humanos, mas não há um sinal de ódio em nossa alma e isso se vê nos olhos”, afirmou ele por telefone à televisão estatal.

A pesquisa também revelou que, entre os eleitores conhecidos como “nem-nem”, que nem apoiam Chávez e nem a oposição e que serão essenciais para resolver a disputa eleitoral em uma Venezuela polarizada, a avaliação positiva do presidente cresceu 14 pontos.

O Barclays Capital afirmou que o desafio de Chávez é manter em alta a popularidade até a votação do próximo ano, superando a volatilidade que teve no passado. “Isso parece possível se ele for capaz de administrar a doença e enfrentar a eleição com uma imagem de um líder capaz de superar a adversidade e entregar resultados”, disse o banco em nota a clientes.

DA REUTERS

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *