Willames Costa

Compromisso com a informação

Economia

Receita ‘inexplorada’ bancará aeroportos privatizados

Investidores que pagaram ágios altíssimos para os aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília acreditam que conseguirão incrementar as receitas comerciais explorando áreas que a Infraero ignora ou está impossibilitada de atuar por questões legais, informa reportagem de Mariana Barbosa e Agnaldo Brito publicada na Folha desta quinta-feira.

Triunfo desconhece regras básicas de edital de aeroportos
Receita de privatização de aeroportos já é disputada
Enquete: você concorda com a privatização?

Com 7,6 milhões de passageiros, Viracopos obteve apenas R$ 500 mil com a veiculação de propaganda no terminal. Carlo Bottarelli, presidente da Triunfo Participações, sócia do consórcio que arrematou o aeroporto de Campinas, prevê quadruplicar essa receita no primeiro ano, podendo chegar a R$ 5,2 milhões dentro de três anos.

Outra importante fonte de receita são os estacionamentos. Fonte mais rentável de receita comercial de aeroportos em todo o mundo, os estacionamentos deverão ser operados diretamente pelo concessionário privado. Por lei, a Infraero não pode operar estacionamentos, sendo obrigada a terceirizar.

As empresas também pretendem ampliar as áreas de consumo pós-embarque, quando o passageiro já ultrapassou os controles de segurança. A prática é comum lá fora, enquanto no Brasil o maior volume de lojas está na área anterior ao embarque.

As empresas também têm planos para a construção de hotéis e outras facilidades no entorno dos aeroportos.

Alex Argozino/Editoria de Arte/Folhapress

 

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *