Willames Costa

Compromisso com a informação

Destaque Pernambuco

Reclamações marcam o réveillon do Recife

Falta de táxis e trânsito intenso para chegar e sair de Boa Viagem foram as principais reclamações

 / Foto: Ricardo Verçosa/Especial para o JC

Foto: Ricardo Verçosa/Especial para o JC

Quem escolheu passar o réveillon na Zona Sul do Recife teve que exercitar a paciência. As reclamações foram muitas, sobretudo em relação ao trânsito e ao reduzido número de táxis disponíveis.

O trânsito para Boa Viagem e o Pina começou a complicar por volta das 21h. Quem seguia para a Zona Sul teve que enfrentar engarrafamentos nas Avenidas Agamenon Magalhães, Domingos Ferreira e Recife. Muitos internautas reclamaram que taxistas estavam escolhendo corridas. “Estou no Derby e quero seguir para curtir a virada do ano em Boa Viagem, mas os taxistas simplesmente dizem que não vão fazer corrida para Boa Viagem”, reclamou o estudante Thiago Wagner.

Durante a virada do ano e a tradicional queima de fogos, as opiniões se dividiram. Enquanto uma parte das pessoas afirma que o espetáculo foi bonito, sobretudo quando comparado aos fogos queimados no réveillon de 2010-2011, muita gente diz que a disposição do palco e o local onde os fogos foram colocados atrapalhou a contemplação. “Como estava difícil chegar em Boa Viagem, parei em um lugar da praia, próximo ao Parque Dona Lindu, e fiquei esperando. Consegui ver mais os fogos de Jaboatão que os de Recife”, disse a administradora Mônica Santos, 32.

Na hora de voltar para casa, mais problemas. As principais reclamações voltaram a recair sobre a falta de táxis. “Não sei o que acontece, mas parece que os táxis simplesmente somem. É um absurdo passar uma hora e meia esperando um táxi. Quando eles aparecem, dizem que estão ocupados”, reclamou o enfermeiro Gustavo Lins. Ele consegui pegar um táxi para sair de Boa Viagem e ir para casa, no Espinheiro, uma hora e 45 minutos depois de esperar.

Quem foi de carro também sofreu. Por volta das 3h, era praticamente impossível andar na Avenida Conselheiro Aguiar. “Um percurso que faço em dez minutos, levei mais de uma hora. Todo ano é essa desorganização. Mas ninguém faz nada para melhorar”, desabafou o leitor Ricardo Verçosa.

Com Do JC Online

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *