Willames Costa

Compromisso com a informação

Esporte

Rival do São Paulo, campeão baiano ignora prefeitura e é clube-escola

Copa do Brasil 2012Na contramão de times do interior do país que despontam sustentados por prefeituras, o Bahia de Feira é uma entidade 100% privada. E tem por trás o dono da principal rede de ensino de Feira de Santana, a segunda maior cidade da Bahia, com 550 mil habitantes.

Será lá, a 107 km de Salvador, nesta quarta-feira, a partir das 21h50, no estádio Joia da Princesa, que o São Paulo iniciará a busca pelas oitavas de final da Copa do Brasil –mais uma etapa para voltar a disputar uma Libertadores após duas temporadas.

Divulgação/Bahia de Feira
Atacante João Neto, do Bahia de Feira
Atacante João Neto é o destaque do Bahia de Feira

“Pode avisar aí que temos uma equipe arrumadinha, atual campeã estadual, e eles vão ter dificuldade, viu?”, diz por telefone o dono do clube, Jodilton Souza, pai do presidente e responsável pelo colégio e as duas faculdades que bancam o Bahia local.

Em 2009, o grupo Nobre, que já existe há 32 anos, comprou o time fundado em 1937, mas que estava desativado desde o fim dos anos 1960.

A partir de então, transformou o que havia em empresa. Logo na primeira tentativa, conseguiu o acesso à elite do futebol baiano. Depois de alcançar as semifinais em 2010, desbancou o Bahia tradicional, bateu o Vitória na decisão em pleno Barradão e conquistou o título de 2011.

Segundo Jodilton, o orçamento anual do “Tremendão” (apelido da equipe) não passa de R$ 1 milhão, e a folha salarial do elenco é de R$ 150 mil/mês, sem o treinador.

Seu filho Tiago, o mandatário do clube, tem uma empresa que agencia a carreira de atletas, inclusive do grupo de profissionais, junto com o técnico Arnaldo Lira, que “faz parte do negócio”.

A prefeitura não é vista nem como parceira. “Na verdade, a relação é muito complicada. Existe uma preferência pelo Fluminense, que é mais antigo na cidade, e ainda temos de atuar em um estádio municipal, cheio de leis municipais que atrapalham”, afirma ele, antes de completar: “Criança não paga, idoso não paga, vereador não paga, deputado não paga… É um inferno aqui. Sem falar no gramado, que é bem ruim”.

Jodilton brinca que, na verdade, são tantas taxas exigidas pelo poder público que é o Bahia de Feira quem estaria bancando a prefeitura.

Enquanto isso, o clube tenta fazer jus à raiz escolar, embora seu proprietário também tenha uma casa de shows e uma empresa de outdoors, colocando parte dos cerca de 10 mil estudantes para estagiar dentro da agremiação.

Alunos do último ano dos cursos de fisioterapia, nutrição, psicologia, educação física e serviço social chegam a participar da rotina no CT.

Os jogadores são atendidos no hospital de uma das faculdades, onde aliás o seu diretor-médico trabalha.

E estarão todos na torcida, em meio à carga máxima de 16 mil ingressos já vendidos desde a semana passada. O preço dobrou para R$ 40.

Astro da equipe ignora ordem, mas é blindado

Apesar de contar com o rodado meia Jackson (ex-Palmeiras, Sport e Cruzeiro), que completará 40 anos em julho, o destaque do Bahia de Feira é o atacante João Neto, 27, apadrinhado pela direção após polêmica com o técnico Arnaldo Lira.

No domingo, na derrota por 3 a 2 para o Bahia da capital, fora –o time vencia até os 44min da etapa final–, ele se recusou a ser substituído. Peitou o treinador, pediu para jogar mais. E fez um gol em seguida.

Lira reclamou, ameaçou tirá-lo do jogo de amanhã, mas o dono do clube, Jodilton Souza, diz que não passou de um mal-entendido e que está tudo resolvido.

“João é uma moça, rapaz. É evangélico e jogador de Lira desde o Ferroviário-CE. Vai jogar, normalmente.”

O atacante, terceiro artilheiro do Estadual com 12 gols, já se destaca desde o ano passado, quando foi emprestado ao Bahia mais famoso para o Brasileiro.

Retornou, e agora já está acertado com o Vitória. “Só falta assinar”, fala Jodilton. O clube é o quarto do Baiano e tirou o Aquidauanense-MS na primeira fase da Copa do Brasil.

Fonte: Da Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *