Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Sarney liga para ministro e marca depoimento para quinta-feira

O ministro Fernando Bezerra (Integração Nacional) vai prestar esclarecimentos na quinta-feira à comissão representativa do Congresso sobre as denúncias de favorecimento de seu reduto eleitoral à frente da pasta e de irregularidades em seu mandato na Prefeitura de Petrolina (PE).

A reunião foi acertada nesta terça-feira durante um telefonema do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), ao ministro. Mais cedo, o peemedebista havia convocado a comissão representativa para analisar os pedidos de convocação.

Sarney convoca comissão do Congresso para ouvir ministro
Irmão do ministro da Integração deixa comando da Codevasf
Ministro da Integração é acusado de comprar terreno duas vezes
Filho de ministro é campeão de emendas na pasta do pai

Marcelo Camargo/Folhapress
Ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra
Ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra

Bezerra falará para uma comissão governista. O grupo é composto por oito senadores e 17 deputados, sendo que a oposição tem apenas quatro cadeiras.

Ele será ouvido pela comissão porque o Congresso está em recesso até fevereiro. Hoje, o líder do PSDB, Alvaro Dias (PR), protocolou o terceiro pedido para que o ministro dê explicações durante o recesso parlamentar. Desde o início da crise, o PPS tinha apresentado outras duas convocações.

O tucano disse que não está preocupado com a blindagem governista. “A base governista fará louvação ao ministro, mas nossa obrigação é colocar o mal à luz para que a sociedade faça seu julgamento”.

O ministro está envolvido em suspeitas de favorecimento ao seu Estado, Pernambuco, e também ao seu filho, o deputado federal Fernando Coelho (PSB-PE), que teve todas as emendas destinadas à pasta liberadas. Ele foi o deputado que teve o maior volume de recursos de emendas liberados em 2011, superando 219 colegas que também solicitaram recursos para obras da Integração.

Bezerra responde ainda sobre suspeitas de irregularidades cometidas durante seu mandato à frente da Prefeitura de Petrolina.

Reportagem da Folha desta segunda-feira mostra que o ministro utilizou recursos públicos para comprar um mesmo terreno duas vezes, quando era prefeito da cidade.

A Folha mostrou hoje que o ministro obteve em dezembro o adiamento da cobrança de uma dívida da Prefeitura de Petrolina (PE) com a Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba), que é ligada à pasta e então presidida por seu irmão, Clementino Coelho.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *