Willames Costa

Compromisso com a informação

Brasil

Suspeito de matar a cunhada é transferido para presídio em SP

O motoboy Sandro Dota, 40, preso sob suspeita de matar a cunhada de 19 anos, foi transferido no fim da manhã desta quarta-feira para o CDP (Centro de Detenção Provisória) da Vila Independência, na zona leste de São Paulo.

Polícia diz que assassinato pode ter tido motivação sexual
Defesa de suspeito de matar cunhada vai pedir habeas corpus

Reprodução Facebook
A estudante Bianca Consoli, 19, foi encontrada morta na noite de terça (13) dentro de casa, em São Paulo
A estudante Bianca Consoli, 19, foi encontrada morta dentro de casa

Bianca foi morta na noite de 13 de setembro, na casa onde vivia com seus pais, também na zona leste. Alguns móveis da casa estavam revirados, mas nada foi roubado.

Ontem, a polícia afirmou que o caso está encerrado e está descartada a hipótese de que outra pessoa tenha participado do crime. Apesar disso, ainda está sendo investigado o motivo do assassinato. Uma das hipóteses é de que tenha tido motivação sexual.

Segundo o delegado Carrasco, do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), testemunhas afirmaram que Dota se insinuava para a jovem e que ela não gostava dele. Ele ainda aguarda o resultado de laudos para determinar se a jovem foi estuprada.

Apesar disso, não está descartada ainda a hipótese de que Dota tenha ido a residência de Bianca para roubar o dinheiro da borracharia da família, que era guardado no local.

DNA

Dota está preso desde segunda-feira. A principal peça usada pelo DHPP para conseguir que a Justiça decretasse a prisão de Dota foi um exame realizado em pedaços de pele colhidos sob as unhas da jovem e que deram resultado positivo para o DNA do motoboy, segundo os investigadores.

Dota não tinha aceitado fornecer à polícia seu material biológico para fazer a comparação com a pele encontrado nas unhas de Bianca. A polícia, no entanto, conseguiu fazer o confronto com a pele recolhida sob as unhas da jovem a partir do sangue encontrado em uma calça do acusado que tinha sido apreendida em sua casa.

A polícia afirmou ainda que Dota ficou arranhado em decorrência da luta corporal que teve com Bianca. Ele afirmou a conhecidos que o ferimento tinha ocorrido em uma obra, mas peritos foram ao local indicado e constataram que a marca não era compatível. O mestre de obras também negou que Dota tenha ido ao local.

DEFESA

O advogado Ricardo Martins, que representa Dota afirmou que ainda analisa os autos do inquérito policial e do decreto de prisão. Apenas depois dessa análise, ele deve entrar com um pedido de habeas corpus para seu cliente.

“Ele se diz absolutamente inocente. Afirma que não cometeu o crime e vai provar”, afirmou o advogado.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *