Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Três agentes do governo da Síria morrem em ataques em Damasco

Três agentes do regime da Síria foram mortos nesta terça-feira (24) na capital, Damasco, disseram fontes da oposição, e um canal governista de TV noticiou que pelo menos três pessoas ficaram feridas na explosão de um carro-bomba na cidade, em novos reveses para a precária trégua monitorada pela ONU no país.

A missão de observadores da ONU visitou a província de Homs, reduto da rebelião dos últimos 13 meses contra o presidente Bashar al Assad, como parte dos esforços para solidificar um cessar-fogo implementado há 12 dias.

Ao mesmo tempo, a agência estatal de notícias, a Sana, afirmou que “grupos terroristas armados” mataram dois efetivos do Exército perto de Damasco. Já o Observatório Sírio de Direitos Humanos, grupo com sede na Grã-Bretanha, disse que um agente do setor de inteligência foi morto pela manhã no bairro de Barzeh, também na capital. O grupo não deu detalhes.

O canal de TV Ikhbaria afirmou que a explosão de um carro-bomba em um bairro de comércio popular da capital síria danificou prédios próximos à Cidade Velha de Damasco. Segundo a agência iraniana de notícias Fars, a explosão aconteceu em frente ao centro cultural iraniano, mas o prédio não sofreu danos. O Irã é um importante aliado regional do governo sírio.

A ONU diz que as forças sírias já mataram pelo menos 9.000 pessoas na repressão à rebelião; o governo afirma que 2.600 soldados e policiais foram mortos por ““grupos terroristas armados”.

Interior do carro-bomba que explodiu nesta terça-feira (24) em Damasco, capital da Síria (Foto: Sana/Reuters)Interior do carro-bomba que explodiu nesta terça-feira (24) em Damasco, capital da Síria (Foto: Sana/Reuters)

De acordo com a agência estatal síria de notícias Sana, autoridades alfandegárias na fronteira com o Líbano apreenderam um veículo cheio de munições e armas, incluindo três metralhadoras e um lançador de granadas.

Um pequeno grupo de observadores militares da ONU está na Síria há pouco mais de uma semana para monitorar a trégua em vigor desde o dia 12. O acordo, mediado pelo enviado internacional Kofi Annan, prevê que ambos os lados suspendam os combates, e o governo retire soldados e armamentos pesados dos centros populacionais.

Falando na segunda-feira ao Conselho de Segurança da ONU, o subsecretário-geral Lynn Pascoe disse que “a interrupção da “da violência armada continua incompleta”.

Ativistas disseram que 31 pessoas foram mortas na segunda-feira na cidade de Hama, e que outras 24 morreram no restante do país.

Fonte: Do G1, com agências internacionais

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *