Willames Costa

Compromisso com a informação

Destaque

TSE conclui apuração e confirma vitória do “não” no Pará

Com 100% das urnas apuradas, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgou no início da madrugada desta segunda-feira o resultado final do plebiscito sobre a divisão do Estado do Pará. Segundo os dados, a criação dos Estados de Tapajós e Carajás foi rejeitada por 66,08% e 66,60% dos eleitores paraenses, respectivamente.

O plebiscito aconteceu após o STF (Supremo Tribunal Federal) definir que toda a populacão do Estado deveria ser consultada sobre a divisão, e não só a parcela dos cidadãos que poderá integrar os novos territórios.

Veja página especial sobre a divisão do Pará
TSE conclui apuração e confirma vitória do “não” no Pará
Após derrota no plebiscito, Santarém decreta luto oficial
PF é acionada para investigar compra de votos em Belém
Mais de 90% dos eleitores de Marabá e Santarém votaram pela divisão
Abstenção é alta, mas não reverte resultado
Paraenses rejeitam divisão do Estado

A decisão foi considerada um revés para os partidários do sim à separação. A população do que seria o novo Pará, majoritariamente antidivisão, é muito superior à soma dos moradores das áreas separatistas: 4,6 milhões, ante 2,9 milhões.

Mesmo que a divisão fosse aprovada, ainda precisaria ser submetida ao crivo do Congresso, por meio de uma lei complementar, conforme rege a Constituição.

Agora, uma nova proposta de consulta pela divisão do Estado só poderá ser apresentada na próxima legislatura, a partir de 2015.

CAMPANHAS

A campanha que antecedeu ao plebiscito foi marcada pela ampliação do ressentimento nas áreas que desejam emancipar-se, que reclamam do isolamento e da ausência do poder público na região.

Nos últimos dias da campanha, o clima de tensão foi acirrado com o envolvimento direto do governador, Simão Jatene (PSDB), contra a partilha.

DIVISÃO

O movimento separatista no Pará reedita, quase dois séculos depois, a Cabanagem, revolta do século 19 em que índios, negros e mestiços tomaram o poder na então província. Os novos rebeldes querem separar as regiões oeste e sul e fundar os Estados de Carajás e Tapajós.

A insurgência nasceu com o sentimento de abandono político e isolamento territorial e a desigualdade econômica entre a capital, Belém, e regiões remotas do interior.

Mas há diferenças históricas entre os dois projetos, do Carajás e do Tapajós.

O primeiro é capitaneado por uma elite econômica nova e poderosa, que quer gerir os recursos minerais e a forte agropecuária da região.

O segundo tem maior legitimidade, pois nasceu há 150 anos, mas carece do tônus econômico do vizinho.

Contra ambos estão empresários e políticos da região metropolitana de Belém, que não aceitam perder 86% da área e 44% do PIB.

Editoria de Arte/Folhapress

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *