Willames Costa

Compromisso com a informação

Esporte

Várzea é igual futebol profissional, diz Leandro Damião

Da várzea e da pobreza para a camisa 9 da seleção e uma vida de sonhos foi um pulo. O Brasil e o mundo tentam ainda entender o fenômeno Leandro Damião, 22.

O atacante do Inter fez 40 gols no ano e virou astro não planejado do futebol. O paranaense de Jardim Alegre falou à Folha por telefone sobre sua carreira, recheada de dramas até pouco tempo e de lances de efeito neste ano.

  Jefferson Bernardes – 24.ago.11/France Presse  
Leandro Damião celebra um de seus gols ante o Independiente, da Argentina
Leandro Damião celebra um de seus gols ante o Independiente, da Argentina

Folha – Como é trocar a várzea pela seleção e a pobreza por vida de sonho em só 4 anos?
Damião – Bem tranquilo. Não sou de comprar aquela casa gigante, aquele carro legal. Graças a Deus posso comprar casa para meu pai.

Você fala muito em Deus e celebra gols apontando para o alto. Qual a importância da religião para você?
Sou batizado na Católica [Igreja], nada contra as outras religiões. Tem sempre que agradecer a Deus. Aconteceram coisas na vida da gente que não acontecem sempre. Ele te dá oportunidades, e você tem que agarrar. Não sou de ir à igreja, mas estou sempre agradecendo.

Você é bem família, casou cedo no papel com a segunda namorada [Nádia], não gosta de baladas, cerveja…
A família foi importante na carreira e foi importante até eu ter começado a namorar cedo [namorou por cinco anos a mulher]. Difícil me ver tomando cerveja, prefiro tubaína, refrigerante, coisa leve, sou tranquilo mesmo.

E o casamento na igreja?
Ainda não tem data, o jeito é casar depois da temporada.

Como era na várzea?
Atuei no Família Tupi City e no Estrela da Saúde [em São Paulo]. É um jogo normal o da várzea. Final de campeonato lotado, precisava ganhar e ganhamos, fiz gol. A várzea é do mesmo jeito que o futebol profissional. Tem grama sintética [no Jardim Ângela], a prefeitura colocou.

  Idário Café – 11.set.11/Divulgação  
Leandro Damião (dir.) comemora gol contra o Palmeiras com Andrezinho
Leandro Damião (dir.) comemora gol contra o Palmeiras com Andrezinho

Você começou a jogar em uma escolinha do governo, não? Achava que seria profissional?
Comecei assim [no Parque Ecológico, em São Paulo]. Gostar de jogar, gostava desde pequeno, mas só virei profissional em Santa Catarina [no Atlético de Ibirama, em 2007].

É verdade que quis desistir da carreira já em Santa Catarina?
Tinha hora que não dava. O jeito que morávamos lá. Eram R$ 100 por mês, não era uma coisa certa. Cheguei lá e era amador. Era complicado, morava em casarão e tinha rato, morcego… Era marmita, não comida normal, era difícil. Graças a Deus, a família e a esposa me ajudaram.

Como rodou pela várzea em São Paulo e não atraiu nenhum grande time paulista?
Fiz peneira em todos os grandes de São Paulo, só no Santos que não fiz. Não passei. Peneira tem muito jogador, é muito difícil. Aí tinha um colega que ia fazer teste em Santa Catarina. Ele não quis ir e me indicou. Fui.

Como foi a decisão de apostar na carreira e deixar a escola?
Até um tempo era bom na escola, depois comecei a jogar a bola e tive que largar, pensar na bola. Era a decisão. Meu pai é uma pessoa humilde [era faxineiro] e sempre deu tudo o que eu precisava.

Seu pai [Natalino] foi o maior incentivador de sua carreira. Fará mais comemorações homenageando o bigode dele?
É um orgulho o pai que eu tenho. Todos queriam ter um pai assim. Sempre que puder vou oferecer um gol para ele.

  Victor R. Caivano – 14.set.11/Associated Press  
Leandro Damião lamenta chance de gol durante o jogo em Córdoba
Leandro Damião lamenta chance de gol durante o jogo em Córdoba

Você era visto como um atacante de pouca técnica, mas está distribuindo carretilha, calcanhar, bicicleta…
Eu sempre quero melhorar. No começo, era muito difícil, duro. Não tive base. No Inter, as coisas começaram a melhorar. Tenho evoluído. O Ortiz [ex-jogador de futsal que toca o Programa Aprimorar] ajudou muito, é diferenciado o trabalho dele. Tem muito jogador que vai sair pelo trabalho que ele faz. Agora, sou praticamente ambidestro.

Você joga agora com Ronaldinho e Neymar. Já caiu a ficha?
Desde que cheguei ao Inter já foi difícil pelo grupo que tem. Na seleção não tem que ser diferente. É humildade do mesmo jeito. Em cada jogo, dou o máximo no Inter. Na seleção não será diferente.

Dizem que centroavante é algo raro no Brasil. Concorda?
Não, o Brasil tem grandes centroavantes, o Borges, o Luis Fabiano, quando se recuperar, o próprio Adriano, o Ricardo Oliveira, que está fora. O Brasil está bem de atacante. Quero estar no meio.

Já teve proposta de R$ 27 milhões por você. Tem preferência por clube na Europa?
Não, vivo o momento. O pensamento é Inter e seleção. Não dá para pensar em que time eu me encaixaria depois.

Sua multa contratual é de 1 50 milhões. Você vale isso hoje?
Não tenho como falar de valores, deixa para a diretoria. Meu papel é jogar.

Com a Folha.com

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *